terça-feira, 7 de setembro de 2010

Um pouco sobre a vida de José Lanzellotti

José Lanzellotti, filho de Bartholomeu Lanzellotti e Filomena Lanzellotti. Nascido em 21 de julho de 1926 na cidade de SãoPaulo - Capital. Viajou por todo o Brasil em pesquisa folclóricas e das raízes culturais do nosso povo. Em 1949, (19 anos) fez parte da expedição Roncador Xingu, com os irmãos Vilas Boas, de onde resultou vários trabalhos de análise e documentação de cultura indígena. Autor de diversos livros sobre o assunto de etnologia.
Desenhista, pintor, escultor, cenógrafo, figurinista de teatro companhias cinematográficas e televisão, trabalhou e colaborou em diversas editoras. Participou também de exposições de pintura.
Sua vida e sua obra foi amplamente divulgada em estensa reportagem na revista Manchete em 12/06/71, cognominando de " Debret Nacional do SéculoXX". Pág. 90 a 94 ( nº 999 da Manchete)
Seu nome consta nos melhores dicionários de artístas plásticos, assim como: Dicionário do Mec em 4 volumes, dicionário de Roberto Pontual, dicionário de P.M. Bardi, Mestres da ilustração de Jayme Cortez, The world encyclopedia of comic - Maurice Horn, 1977. Historia de Los Comics -
facículo 44 - texto de Alvaro de Moya - Tautain Editores, 1982. Enciclopédia dos Quadrinhos - Goida - L&PM Pocket Editores.
Dentre suas realizações podemos mencionar:
"Índios e Arte Indígena" documentário de etnologia com 150 desenhos a cores;
O roteiro do filme "Canta Brasil" (desenho animado)
"O este abandonado"; documentário da vida cabocla desenhada a cores, com 100 pranchas;
"Trajes típicos do Brasil", documentário a cores com 120 pranchas;
"Antologia ilustrada do Folclóri Brasileiro", com 640 desenhos em preto e branco.
Ilustrou o Atlas de Educação Moral e Cívica do Ministério da Educação e Cultura Jarbas Passarinho.
Lanzellotti se apresentou ao publico, em exposição organizada em São Paulo pelo escritor Afonso Schmidt. O mesmo encantado com os desenhos, definiu Lanzellotti numa frase, onde defini a idéia do valor de seus trabalhos: -" Ele é o Debret do Século XX".
Suas pranchas foram divulgadas em luxuoso albúm patrocinado pelo conselho estadual de Cultura de São Paulo.
Expôs os seus desenhos, documentários na antiga galeria Lotis Seavers, de São Paulo.
E além dos documentários, ele era pioneiro da história em quadrinhos em nosso pais, tendo criado o personagem Raimundo o cangaceiro que acabou sendo transformado em figura mitologica no sertão, a ponto de Vitalino reproduzi-lo em bonequinhos de barro que se vendiam rapidamente na feira popular de Caruaru, Pernanbuco.
Tal como Debret, sua obra tem valor artístico, hitórico, etnológico e folclórico.
Participou em abril /2000 da exposição "Senhores da Terra" no museo histórico e Pedagógico "India Vanuire" de Tupã.
Haverá uma exposição em 16 de novembro de 2010 na Gibiteca de Bauru "Aucione Torres Agostinho" Av. Nacões Unidas, 8 -9 fone 3235 1312. Uma homenagem que sua filha Jussara Lanzellotti com ajuda do artista Plástico Leandro Gonçalez, esta organizado com diversos trabalhos realizados por Lanzellotti.
José Lanzellotti morreu assassinado em sua residencia em São Paulo, em 12 de junho de 1992.